Publicado por: Ana | Junho 21, 2006

Deixem-me voar…
Quero elevar-me bem alto, para onde as distâncias não têm qualquer significado e o tempo pára. Não me sigam, não me procurem. Vou planar sozinha ao ritmo dos ventos. Só eu e o infinito…
Não quero amarras, rastilhos, elos ou correntes.
Quebro todos e tudo à minha passagem, espalho dor à minha volta.
Porque não respeito, não aceito, só eu conto, eu e eu.

Assim, deixem-me voar…
E, se algum dia regressar, talvez poise numa vida melhor.
Ou talvez paire eternamente…

Fotografia de Luc Hyvert-Besson


Responses

  1. Por vezes temos que soltar as amarras. Encontrar o nosso eu. Depois ficamos mais preparadas para voltar.
    Bom retorno.
    Beijos


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: