Publicado por: Ana | Novembro 7, 2006

É à noite que mais custa.
O meter a chave à porta e sentir a casa fria, vazia. Ouvir os passos a ecoar no chão enquanto acende as luzes dos quartos para fechar janelas que manteve abertas numa ilusão de presenças fingidas.
O silêncio é opressor, axfixiante, algo que o som de fundo da televisão não substitui.
Percorre as divisões, uma a uma, em busca não sabe bem de quê.
Sabe que está só. Que estará só.
No quarto, a cama desfeita, não por quentes momentos mas apenas porque não tivera tempo de a fazer de manhã.
Deita-se ainda semi vestida, exausta.
Por uma pequena fresta da janela mal fechada, a luz do luar banha-lhe os pés e adormece enquanto brinca com a luminosidade.
Não se apercebe que a luz sobe e a envolve plenamente num jogo de sedução.
Sorri enquanto dorme e de manhã não se lembrará de nada, porque a lua já terá partido há muito.
Talvez um dia acorde durante a noite e a lua lhe estenda a mão…

Responses

  1. Excelente!!

  2. Oh Ana, nada como dantes…

  3. Leio-me neste texto… espero que também a mim a lua estenda a mão uma noite destas…

    Beijinhos

  4. Tristes mas bonitos.
    Ou bonitos mas tristes, os teus contos.

  5. Deve ser diferente a solidão no feminino… Eu adoro chegar a casa e não estar lá ninguém.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: