Publicado por: Ana | Setembro 1, 2006

Blue eyes

Sábado, 5 e meia da tarde. Quando, em Setembro, estão dias quentes assim, o sol parece que desce sobre as nossas cabeças de tão baixo que está.
Saio do Instituto cansada mas feliz, a primeira aula correu lindamente.
Decido ir ver o último filme de Pedro Almodovar antes de regressar ao inferno ( leia-se santa terrinha) e vou até ao Marquês apanhar o metro. Já na estação, reparo em tuas mulheres, cada uma com um bebé ao colo. Imigrantes. Romenas, ao que me pareceu. Muito jovens as duas, uma delas não sei se já teria 18 anos, aspecto andrajoso. Sujas, elas e as crianças. Entraram no metro ao mesmo tempo que eu e começaram a pedir esmola. Incomoda-me isto, por muito que tente nunca consigo ficar indiferente quando vejo crianças envolvidas.
Quando passaram por mim, consegui ver o rosto da criança que a mais nova transportava ao colo. Que olhos! Azuis claros, quase transparentes… tão inquiridores. O cabelo loiro quase branco contrastava com as roupas sujas que trazia vestita. Não tinha seguramente 4 meses.
Olhou-me com aqueles olhos lindos e riu-se para mim.
Apeteceu-me levantar, dar àquela mulher todo o dinheiro que tinha e não tinha na carteira e ficar com aquela criança, trazê-la para casa e dar-lhe tudo aquilo a que têm direito as crianças. Cobri-la de mimos.
Sem se aperceber de nada, a mãe (?) beijou-a no rosto e ela sorriu
E eu, ali , percebi que a felicidade tem parâmetros muito diferentes.
Afastaram-se as duas carruagem fora.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: