Publicado por: Ana | Agosto 13, 2006


Quebro amarras, desfaço nós, solto laços.
Cambaleio sem controle, caio e levanto-me, tropeço e quase caio de novo.
Equilibro-me.
Inicio passos hesitantes rumo a destino desconhecido, solitário. Quem sabe?
(Re)aprendo a caminhar sem ajudas, auxílios, bengalas.
Aos poucos, a segurança volta aos meus pés e corro; corro veloz não importa para onde, pelo prazer de correr.
Solto-me quando te solto e te deixo ir.


Responses

  1. De facto, terei que voltar a dizer o mesmo que da primeira vez: as tuas palavras deixam-me sem palavras.

    As tuas prosas mais poéticas são belíssimas!

  2. Olá:
    Foi prazer vir aqui ver as tuas novidades.
    Muito interessante.
    Obrigado pela tua visita e comentário…eu voltarei regularmente.
    Um abraço,

    Novo artígo no EG.

  3. caminhar… correr… cair…
    todos caiem, o importante é levantar, de preferência sem auxilio… mas se o auxilio vier por bem…
    soltar amarras… vou tratar de os ventos estejam de feição, que não hajam nortadas… palavra de mixtu

  4. Ana,

    Não conhecia e também gostei. 🙂

    A palavra “recomeçar” é daquelas palavras especiais. Uma palavra difícil, mas de sentidos profundos.

    Bjs

  5. Obrigada a todos 🙂

  6. porque é que me reconheço aqui?

  7. Só soltos podemos correr em diraccao à nossa liberdade!
    Gostei muito do texto**

  8. zuco todos nós, em diferentes alturas da vida e por variado motivos, temos necessidade da mudança que refere o texto 🙂

    Postman, obrigada**


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: