Publicado por: Ana | Junho 26, 2006

Observo. Concluo. Afasto-me.
Encerro-me na concha onde ninguém me pode tocar.
Fico cerrada no meu mundo, na minha redoma de emoções e aperto firmemente os bordos para que não me invadam. Para que não me magoem.
Não quero. Não agora. Nunca mais.
Cá dentro sou eu e apenas eu, observando o mundo numa suave transparência mas sem me misturar.
Não me procurem, fico aqui. Para sempre.

Responses

  1. Não acredito que esse isolamento seja perdurável.
    Ensino aos meus alunos que a concha só fica fechada, quando a maré está baixa.
    Mas, Ana, a maré acaba, fatalmente, por subir.

  2. Ana estás tudo menos isolada. Pessoas como nós não se conseguem isolar, dão-se demais, e por vezes isso extenuante. Bem procuramos conchas, mas elas são uma utopia.
    Beijos fica bem.

  3. oh… ficámos à espera que tenhas que crescer e apareças quando já não couberes em ti…

  4. Se repararem bem, a concha está aberta 😉


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: