Publicado por: Ana | Junho 14, 2006

Enterra as mãos limpas na terra escura.
Aos poucos, a pele branca desaparece, fundindo-se com o solo seco e poeirento.
Cerra os dedos tentando, em vão, agarrar as partículas que se lhe escapam por entre os dedos numa dança de movimentos fugazes.
Pára.
Caem-lhe grossas lágrimas que instantaneamente se fundem com a terra. Lama.
Quando retira as mãos, as suas memórias vêm misturadas com as daquele solo fértil de sentimentos.
Deixa-se ficar deitada nele para sempre…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: