Publicado por: Ana | Maio 3, 2006

Tens marcados na pele os sulcos do tempo como se de estradas da vida se tratassem.
Uma a uma, as rugas contam as tuas histórias, umas de que falas aos netos com um sorriso nos lábios e as outras, aquelas que guardas só para ti.
As marcas do tempo adoçam-te o rosto. Inspiras confiança, geras o respeito por onde passas. Viste partir quem amavas e guardaste a tua dor. Sobrevives aos que, da tua geração, vão deixando a vida e a quem te habituaste a dizer o último adeus. Aos poucos, ficas só, sentes que estás sozinha mesmo no meio de filhos e netos e as tuas rugas vão-te mostrando que, mais e mais, o fim se aproxima. Mas não tens medo. Sentes que cumpriste o teu papel na vida tão preenchida que tiveste. Recordas choros e sorrisos, o nascimento do primeiro filho, do primeiro neto…
Os teus pais, figuras longínquas e no entanto sempre tão presentes.
Foste criança, mulher, esposa, mãe. Foste tudo.
E, quando chegar a hora de fechares os olhos para sempre, irás fazê-lo com um sorriso de quem não tem medo do fim.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: