Publicado por: Ana | Abril 26, 2006

Baixo os braços inertes , cansados e deixo que a dor se aposse de mim.

A corrente, forte, leva-me para onde não quero, as águas profundas e frias não mostram na escuridão o caminho que me espera. Não quero saber. Não preciso saber.
Deixo-me arrastar sem me importar com o destino, porque já nada me atemoriza. E nada me resta, senão apenas o deixar-me ir para um desconhecido que me é indiferente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: