Publicado por: Ana | Fevereiro 17, 2006


Deitada e imóvel por fora,percolhem-lhe nas veias mil emoções misturadas com o sangue que chega aos lugares mais rescônditos do corpo. Atravessam-na mil formigueiros que rapidamente se transformam em dor, insuportável e constante.
Pequenas gotículas de suor começam a formar-se na sua testa, nas suas mãos, por todo o seu corpo até que não é mais que uma poça de água.
Os lençóis, revoltos, mostram a agitação em que se encontra agora. Morde-os com força para não gritar. Aninha-se em posição fetal e crava as unhas nos braços até sangrar.
Chora. Lágrimas de sangue, de raiva, de ódio. Chora até adormecer de cansaço, num perfeito desalinho, pedaços soltos de si por toda a cama.
Deixa-se então embalar pela noite eterna, aquela cujas trevas são mais fortes que tudo e todos.
E descansa…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: