Publicado por: Ana | Fevereiro 12, 2006

Quer passear naquelas ruas, sentar-se nas esplanadas, olhar as árvores e senti-las suas.

Quer criar rotinas, conhecer de olhos fechados o virar da esquina antes de lá chegar.

Quer sentir-se em casa numa cidade que sempre considerou sua, mas da qual se afastou sempre por motivos fortes.

A cidade tem vida, tem alma. Sente-a zangada consigo, pressente um virar de costas quando lhe entende a mão, numa súplica velada para que a aceite de volta.

Nunca devia ter saído de lá. Pensa todos os dias como seria a sua vida se tivesse ficado. Baixa a cabeça, triste. Sente que fez uma má gestão do seu tempo; que tomou as decisões erradas nas alturas importantes.

A cidade é cruel, raramente perdoa.

Seca as lágrimas e, mais uma vez, parte para dentro dela. De novo. Mais uma vez.

Até a cidade perceber que pertencem uma à outra. Ou até ter que desistir e, irremediavelmente, baixar os braços depois de lhe dizer Adeus.

Mas nunca mais se vai culpar por não ter tentado uma derradeira vez.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: