Publicado por: Ana | Fevereiro 2, 2006

Degraus

Sobe até onde a consciência o leva, para um local onde não existe nada nem ninguém, apenas um vazio onde não há lugar sequer para memórias.
Escuro.
Negro.
De olhos fechados ou abertos, o que vê é apenas a total ausência de cor. Ou não vê.
Procura nos próprios membros o aconchego de um abraço e o que lhe chega são apenas sensações solitárias.
Olha para baixo.

As pessoas, os momentos felizes que esperava recordar, desapareceram. Resta o preto omnipresente, sufocante. Solta na garganta um grito silencioso e fecha-se sobre si, qual feto solitário em ventre materno à procura do calor reconfortante do corpo alheio. Em vão. Só então percebe que os degraus continuam a subida e que, lá muito em cima, uma luz trémula quebra o breu. Continua a subida sem rede, num percurso cada vez mais desconhecido mas, quem sabe, talvez mais iluminado…

Não importa saber. Importa sim continuar a subir.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: