Publicado por: Ana | Dezembro 13, 2005

Subiu ao sótão, local de arrumos de objectos e memórias.

A velha árvore lá estava, à sua espera, misturada com triciclos e bonecos antigos, cuidadosamente encaixotada desde o ano anterior, no final das Festas. Os enfeites estavam dentro da mesma caixa de sempre; não precisou de a abrir para saber o que continha: os anjos de pano, as bolas douradas e brancas, a rede de verga pintada, tudo se mantinha igual.

Lembrou-se de como tinha o coração apertado a última vez que tinha tocado aqueles objectos enquanto os percorria com os dedos, devagar, um a um.

Suspirou e evitou que os olhos se marejassem de lágrimas. Tinha que as guardar para mais tarde, quando estivesse só. Lá em baixo, duas crianças esperavam aquele momento, ansiosas por colaborar e cheias de alegria pelo ritual que, ao longo dos anos, se ia repetindo.

Montaram a árvore na sala, no sítio do costume. Cada bola dourada era uma lágrima, as brancas eram a alegria dos catraios; os anjos eram a tristeza que contrastava com o brilho dos olhos deles. A rede mostrava como sentimentos diversos se entrelaçam de forma ambígua, contraditória, quando se tem um acto de tanto significado. A árvore iluminou-se de mil luzinhas brancas e uma mais forte, bem lá no cimo, parecia que sorria.

Descobriu que, por muito triste que se sinta, por muita vontade tenha de adormecer e acordar no fim de Janeiro, bastam 2 sorrisos e um sonho para que seja Natal.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: