Publicado por: Ana | Novembro 2, 2005

Tic, tac, tic, tac,
O tempo não passa, as coisas não acontecem, o mundo não gira.
Parou no tempo e no espaço, sente o dia de ontem igual ao de amanhã numa homeogenia que que deixa os nervos à flor da pele.
Grita, mas da boca muda não sai um único som. O início e o fim do grito seria o passar de alguns segundos, e o tempo está parado.
Tic tac, tic, tac,
Só o relógio mexe os ponteiros inutilmente numa tarefa sem sentido .
Nada acontece, as coisas permanecem imutáveis, o corpo queda-se imóvel, estático em rotinas sem início nem fim, que não levam a nada.
Tic tac, tic tac,
Dia após dia, ano após ano, passa uma vida amorfa que só sente quando se olha para trás. É o momento de partir o relógio para que ele solte o tempo … e começar de novo.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: