Publicado por: Ana | Agosto 29, 2005

Entro numa casa que não é minha, mas já foi.
Toco com os dedos nos objectos que me são tão familiares e, simultaneamente, tão estranhos como se os visse pela primeira vez . O cheiro, esse, é o mesmo e invade-me as narinas violentamente, enchendo-me o peito de saudades desse passado tão recente em que percorria todas estas divisões com o à vontade de quem por lá passa todos os dias.

Fecho os olhos.
Deixo-me cair no chão e sinto o conforto do soalho de madeira quente, sólido, protector. Adivinho os objectos que estão ao meu redor sem precisar de os tocar.
Mais do que objectos e paredes, que jamais serão meus, são as memórias que me tocam. E doem.

A porta abre-se e sinto os teus olhos poisados em mim. Oiço os teus pés a pisar o chão mesmo a meu lado;passas como se eu não estivesse ali.
Talvez não esteja.
E talvez nunca tenha estado…


Responses

  1. Bonito.
    Sinto um arrepio suave e triste.
    Estes posts sobre casas ounde já vivemos, creio que são recorrentes em ti.
    Tenho várias assim e emociono-me sempre.

  2. São recorrentes sim…
    Gosto de casas com história.
    Ainda esta noite sonhei com mais uma 🙂

  3. 🙂


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: