Publicado por: Ana | Agosto 4, 2005

Quando eu morrer, não me fechem com os braços cruzados no peito numa caixa de madeira com rendas e folhos, em traje de gala e sapatos de salto alto .
Não me deitem cal por cima, não me enterrem num solo cheio de vermes que me possam corroer as memórias que quero levar comigo. Não me deixem a apodrecer lentamente debaixo do chão, a desmembrar-me aos poucos até a terra me absorver por completo e passar a fazer parte do mundo dos Esquecidos.

Reduzam-me antes a cinzas e façam-me voar nas asas do vento, em partículas quase invisíveis que abracem intemporalmente aqueles que amo de forma a que percebam que os levo comigo para onde quer que vá. Deixem-me ser o Pó das emoções que ficaram por viver, de tudo o que não tive coragem de fazer, das palavras que não consegui proferir. Não perpetuem os erros de quem parte porque quer.

Responses

  1. Sinto o mesmo…

  2. Obrigada, segredos. Também gostei do teu 🙂

  3. Excellent Blog! From what I gathered, you could make a ton of money from this blog! Click here if you’re smart.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: