Publicado por: Ana | Julho 27, 2005

Fim de tarde. Deitada em cima da cama, tenta conciliar o sono depois de um dia cansativo.
Os olhos começam a fechar, por fim, no meio de pensamentos conturbados que rapidamente se transformarão em pesadelos.
Antes de se deixar embalar no sono, começa a ouvir um ruído que, apesar de desaparecido há meses, lhe é familiar. Pingos de chuva caem no gradeamento das varandas, dando aquela sensação de conforto e companhia que tanto a consolam.

Abre os olhos. Pela janela, observa a água que começa a cair, primeiro tímida e depois em cascata celeste. Levanta-se e corre para a varanda. Aquele odor da terra seca acabada de molhar, de longe o seu cheiro natural favorito, invade-lhe as narinas juntamente com o calor que sai da terra seca de meses sem uma gota de chuva.

Estica os braços e sente a água fria, gotejante, a escorrer-lhe na pele. Não resiste e vai para a rua, descalça, deixando percorrer na pele os pequenos fios de líquido transparente. Rodopiando e dançando enquanto a chuva cai cada vez com mais intensidade. Ri-se enquanto vira o rosto para o céu e, ensopada, se deita no chão ainda quente.

Finalmente a tempestade passa e ela volta para casa, embrulha-se numa toalha felpuda e cai na cama num sono sem sonhos mas, pela primeira vez hámuitos meses, sem pesadelos.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: