Publicado por: Ana | Maio 11, 2005

Rituais

Os sapatos pretos, de salto alto, voaram-lhe dos pés assim que entrou em casa e fechou a porta; um para cada lado, como era seu hábito. Sentou-se na cama e massajou os pés doridos; deitou-se para trás e, depois, fechou os olhos. Estava exausta e adormeceu quase de imediato. Deixou que um sono tranquilo, sem sonhos, tomasse conta dela como há muito não acontecia.

Acordou era noite escura. Olhou para o relógio: cinco e meia da manhã! Tinha dormido quase dez horas, ininterruptamente! Esfaimada, comeu uma refeição ligeira antes de um duche rápido. O que queria fazer não esperava por ela e não admitia atrasos, tinha que se apressar.

Saiu de casa a correr, chaves do carro na mão. Conduziu, mais calma, até ao ponto mais alto da cidade. Apesar de o sol não ter nascido ainda, a claridade começava a raiar, permitindo distinguir já mais formas do que as luzes do carro iluminavam.

Dirigiu-se ao ponto mais alto da cidade e estacionou no preciso momento em que o astro Rei despontou por detrás da serra, numa luminosidade tímida mas porém já forte. Saiu do carro e, aos primeiros raios de luz directa, gritou:

_ Bom dia, Vida!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: