Publicado por: Ana | Abril 28, 2005

Os dedos uniram-se, entrelaçados uns nos outros. Assim ficaram enquanto puderam, queriam ficar para sempre com a sensação do toque um do outro; sabiam que não mais se voltariam a sentir.
Os dela, frágeis tocaram levemente a mão forte que os segurava. Acariciou-a, sentindo-lhe o calor e os pelos macios. Os sentidos de ambos estavam concentrados naquelas duas mãos, o resto dos corpos não existia. Como se o Mundo não existisse.
A mão dele apertou a dela com força, como se assim pudesse retê-la para sempre consigo.
Foi ela que deu o primeiro sinal. E, tão lentamente quanto puderam, as mãos deslizaram uma na outra e finalmente separaram-se.
Com os olhos murmuraram um adeus silencioso e, em simultâneo, caminharam para direcções opostas. Para vidas diferentes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: