Publicado por: Ana | Abril 12, 2005

Sentou-se na cama, sobressaltada. O coração batia-lhe descompassadamente, parecendo querer saltar da caixa toráxica a cada batimento. Estava encharcada em suores frios, o que a fazia tremer de frio, para além do tremor de medo que com que batesse os dentes de forma incontrolada.
Puxou os joelhos para si e abraçou-os, começando a balançar-se para trás e para a frente numa tentativa de consolo que não vinha. Não conseguia fechar os olhos, porque as imagens , as sensações, os medos voltavam como se estivessem a ser vividos de novo.

Acendeu a luz e olhou para o relógio: três e vinte da manhã. Já sabia as horas, antes de para lá olhar. Diariamente, o ritual repetia-se: o sonho, o acordar sobressaltado, o não conseguir readormecer senão perto da madrugada, o acordar cheia de sono, o andar com as mesmas imagens todos os dias gravadas na memória. A dor que lhe causavam, ridiculamente, porque nunca tinham acontecido.
Mas aconteciam dentro dela e interferiam com a sua sensibilidade e bem estar.
Suspirou. Aquilo tinha que acabar um dia.
Tomou um comprido para dormir e deixou a caixa perto.
Quanto acordasse, tomaria outro. E depois outro.
Hoje não ia trabalhar. Tirava o dia para dormir. Ou para deixar chegar o pesadelo ao fim. Tinha que saber como o sonho acabava


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: