Publicado por: Ana | Março 23, 2005

Xadrez


Era tudo estranho, visto lá do alto. As pessoas que sempre tinha conhecido, amado, com quem tinha partilhado uma vida, tornavam-se peças autónomas de um tabuleiro de xadrez e ela assistia ao jogo, impotente para lhe mudar o resultado.
Estava habituada a fazer parte de tudo o que via, agora, avançar sem ela. Percebeu então a relatividade de se ser insubstituível. Ninguém o é. Nunca. As engrenagens continuam a girar ,mesmo faltando algumas peças e resultado final é necessariamente diferente, mas não menos eficaz, nalguns casos.

Viu quem conhecia continuar rotinas anteriores, iniciar algumas novas e dar o fim necessário a outras.
Percebeu que quem amava continuava vivo e a levantar-se da cama da mesma forma, a ir trabalhar às mesmas horas e a seguir em frente, dando a sensação quenada tinha mudado. Pelo menos visto lá de cima.

Desceu e misturou-se com eles, tentou mostrar que continuava ali, que ainda amava, que conseguia rir e chorar. Em vão. Ninguém parecia vê-la. Percebeu então que já não pertencia ali. Elevou-se, devagarinho, lançando um último olhar àqueles que tanto amava. Atirou-lhes um beijo e acenou em despedida. E seguiu o seu caminho, chorando. As lágrimas transformaram-se em chuva e ela viu-os a olhar para cima, espantados. Tinha conseguido finalmente mostrar-se?
Logo abriram os guarda chuvas, para se protegerem…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: