Publicado por: Ana | Outubro 20, 2004

Naquele dia

Olharam-se nos olhos, revelando no olhar a saudade que sentiam um do outro. As mãos dele procuraram as dela e puxaram-na para o seu peito, num abraço apertado de cumplicidades adiadas. E ficaram assim largos minutos enquanto os outros, atónitos, entreolhavam-se à procura de uma explicação. Que não tiveram. Porque há emoções que não se partilham…
Subiram as escadas abraçados e entraram no quarto dela. Beijaram-se longamente. Naquele dia, pelos menos naquele dia, não olhariam para o relógio que, implacável, os privava da companhia um do outro. Tinham vencido distâncias geográficas e estavam ali, juntos, um só corpo.

O futuro não contava, naquele momento. Viveriam o presente com a intensidade de quem não sabe o amanhã, mas com a certeza de que o que sentiam era tão forte que já não podia ser escondido. Ou adiado.

E a porta fechou-se, silenciosamente, testemunha de um amor que bem podia ser eterno.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: