Publicado por: Ana | Outubro 15, 2004

Labirintos

É muito mau quando uma folha em branco nos intimida. Normalmente convida a que nos estendamos para onde a caneta nos leva, muitas vezes numa viagem introspectiva que nos obriga a refectir e a clarificar ideias.

O que acontece é que por vezes as ideias estão de tal maneiras emaranhadas e confusas que não se conseguem dissociar de forma a que sejam transpostas para o papel de forma clara.

Há que pegar entrar numa ponta do labirinto ideológico e, lentamente, fazer com que frases comecem a soltar-se , lineares, escorreitas como caminhos percorridos e reconhecidos familiarmente.

Mas aí, pode acontecer uma coisa: não gostarmos das ideias que se soltam; não gostarmos dos caminhos que já percorremos. Não porque não tenhamos consciência delas anteriormente mas sim porque ao vê-las assim, sozinhas, abarcamos toda a sua dimensão de forma mais consciente e sentimo-nos incomodados. E lá voltamos a atirar a ideia para dentro da labirinto em que se transformou a nossa mente.

A folha volta a ficar em branco.Mas, lá no fundo, se espreitarmos bem, as ideias vão-se cruzando em jogos de sedução , reproduzindo-se velozmente e…. criando novas encruzilhadas. Não são é visíveis a todos os olhares.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: