Publicado por: Ana | Outubro 1, 2004

Emoções


Sentou-se à secretária e olhou intimidada para a folha branca à sua frente. Tinha tanto para dizer mas, estranhamente, não conseguia passar para o papel o que a perturbava. Aprendeu cedo que a intimidade não se mostra assim, a estranhos, apesar de escrita; muito menos a conhecidos ávidos de pormenores, prontos a dissecar e analisar erroneamente frases soltas. Mesmo escrevendo na terceira pessoa, os pormenores seriam facilmente identificáveis.
Mas as coisas muito más que a perturbavam e que a enchiam de raiva continuavam lá. E as boas estavam à espreita mas faziam com que se sentisse triste, porque distantes. Precisava mesmo de desabafar.
Poisou as mãos na folha e fechou os olhos. E, de repente, as palavras foram nascendo dos dedos ágeis, nervosos, num rodopio de palavras que nem tinha tempo de reler. Transpôs-se para aquele pedaço de papel e deixou que o íntimo falasse.
Depois, meteu a folha numa gaveta secreta da secretária. Porque há coisas que não se mostram a ninguém. E sorriu, enquanto escondia a chave.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: